top of page
  • Bruno Brunelli

María de Padilla



María de Padilla nasceu em 1334, filha de Juan García de Padilla e María González de Hinestrosa. De nobre família castelhana, originária de Padilla de Abajo (Burgos), era vista como “muito bonita, com uma inteligência aguçada e um corpo pequeno”.


Um encontro pelo acaso entre ela e Don Pedro I de Castela faz com que este casal se apaixone e nunca mais se separe, apesar das dificuldades e da peculiar história de amor que viveram. O Rei Don Pedro I, o Cruel, se casou duas vezes enquanto Maria era nada mais, nada menos, do que a amante oficial do monarca castelhano e dama de companhia de sua mãe, Doña Maria de Portugal. Os vestígios do "reinado" e da alta posição que Doña María de Padilla ocupou aparecem não só na literatura, mas também na arquitetura dos Reales Alcázares de Sevilla, residência oficial de Padilla, dando nome a algumas casas de banhos no complexo histórico de Sevilla.


É nos Reales Alcázares que a amante oficial do rei tinha esta pequena corte, onde distribuía, com a aprovação do monarca, notáveis ​​privilégios para os seus familiares e mais pobres, o que causou descontentamento entre alguns nobres. Ao ponto de que esse foi um dos motivos do por que foi travada na Guerra Civil Castelhana, entre o rei e seu irmão bastardo Enrique de Trastámara. Maria deu ao rei quatro filhos bastardos: Beatriz em 1353, Constanza em 1354, Isabel em 1355 e Alfonso em 1359. É mais do que provável que o último parto tenha deixado sequelas para ambos, e assim causando suas mortes. María de Padilla morreu em julho de 1361 e seu filho Alfonso em 1362.


Depois de sua morte, o rei D. Pedro I sofreu e lamentou tanto que, um ano depois, nos tribunais de Sevilla, declarou aos nobres que Maria de Padilla fora sua primeira e única esposa, e “casou-se com Doña Maria pelas palavras atuais, escondendo esse casamento para evitar que parte do seu reino se levantasse contra ele”, e que este casamento secreto foi realizado perante o Abade de Santander, levando o arcebispo de Toledo a declarar inválidos os outros dois casamentos anteriores, pelos quais os tribunais a ratificaram afirmação declarando sua rainha e legitimando seus filhos.

Por este motivo, o seu corpo foi transferido para a Capela dos Reis da Sé Catedral de Sevilla, onde também está sepultado o rei, e seu filho recém declarado herdeiro, Alfonso.


Por ser muito estudiosa das magias ocultas e de uma aguçada mediunidade - do qual certas histórias contam que foi por conta de seus feitiços negros que os primeiros casamentos do Rei não deram certo e assim ficarem juntos - e de uma grande solidariedade ao povo mais carente, María de Padilla assumiu uma das falanges mais famosas de nossa espiritualidade, trabalhando principalmente à esquerda da Umbanda, da Quimbanda, e ao lado de Mestres Juremeiros.

LAROYÊ!

76 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page